Qual igreja frequentar?

Em tese…
Se a pessoa quer ser batista, frequenta uma igreja batista.
Se a pessoa quer ser presbiteriana, frequenta uma igreja presbiteriana.
Se a pessoa quer ser quadrangular, frequenta uma igreja quadrangular.
Se a pessoa quer ser de uma comunidade, frequenta uma comunidade.
Assim sendo…
Você que é pastor(a), você poderia respeitar a tradição de sua denominação?
As pessoas que vão na sua igreja querem que a igreja seja aquilo que é ela diz ser. Se é presbiteriana, a doutrina é reformada. Se é metodista, a doutrina é arminiana.
A igreja não existe para o prazer do pastor.
Se você é pastor de uma igreja e quer que ela tenha outro estilo ou outra doutrina pergunte para a igreja para ver se ela aceita antes. Se não aceitar, você se torna fiel a história daquela denominação. Se aceitar ter outra doutrina, a igreja pede desligamento da denominação e seja feliz.
Hoje, a gente entra numa igreja X pensando que ela representa a sua tradição e para surpresa vê uma coisa totalmente diferente. Muitas vezes tem que pegar o boletim para ver o nome da igreja, pois tem-se a impressão que entrou na igreja errada.
Eu sou a favor das muitas denominações. Tem gosto para tudo.
Em tese é isso. O que você acha?
ACBarro

A igreja é mais do que uma agremiação recreativa

Dizer que os tempos são outros é perda de tempo. Já sabemos disso. Alias, a filosofia popular diz que ao dobrar a esquina você já não é mais o mesmo.
Nessa mudança de tempos, a igreja também mudou e vai mudando ainda que as pessoas continuem negando isso. Se você é “antigo” de igreja acho que já deu para perceber isso. Os mais novos na fé não tem a referência que você tem, por isso, não adianta nada puxar pelo passado. Já era.
Dizem os entendidos que as pessoas de hoje querem comunhão, relacionamentos. E mais, a igreja deve ser esse espaço.
Creio que ninguém questiona isso. A igreja é mesmo um centro de convivência amorosa de pessoas que tem em comum o senhorio de Cristo.
Agora a igreja é mais do que isso. Ela não deve limitar-se a ser um grêmio cultural ou um clube recreativo. Se alguém procura uma igreja apenas e tão somente por causa dos relacionamentos, é melhor filiar-se ao um clube da cidade. É mais barato (pressupondo que a pessoa seria dizimista).
A igreja que tenta se sustentar apenas em eventos para entreter os seus vai aos poucos perdendo sua essência ainda que continue sendo atrativa por causa da comunhão entre seus membros.
ACBarro

Denominacionalismo

O meu total e absoluto desprezo pelo denominacionalismo que mata o espírito do Reino de Deus. Quando a frase extra Ecclesiam nulla salus foi dita a respeito da Igreja Católica, o que não se sabia é que ela era também uma profecia a respeito da igreja protestante no Brasil. É uma pena que algumas denominações pensem isso dela.

ACBarro

Medos, medos e medos

Quem não tem medo hoje em dia? Eu tenho.
Medo do hoje e medo do futuro. Alguns ainda tem medo do passado.
Medo se a criança vai nascer saudável ou não; medo de morrer na viagem; medo de receber uma notícia ruim sobre o parente que mora longe; medo se vai ser feliz no casamento que ainda está no começo; medo de mudar de emprego; medo de… medo de… medo de…
Eu não sou psicólogo e não entendo como explicar o medo. Mas eu sei o que ele faz. Ele paralisa, projeta centenas de coisas.
Disse o poeta sacro:
Senhor, eu creio, mas medo sombrios
Muitas vezes obscurecem minha visão;
Eu me volto a Ti com orações e lágrimas,
E clamo por força e luz. – Wreford
Se você tem outros remédios para o medo fique a vontade para usá-los, mas o melhor e colocar os medos diante do trono da graça de Deus e orar: “Senhor, Tu sabes todas as coisas. Eu não sei. Ajuda-me”.
O vento sopra – Toca o barco.
ACBarro
www.ejesus.com.br


			

Jonas, o cara não é fraco não!

Jonas, o profeta, talvez tenha ficado famoso por causa da baleia. Sem ela, quem saberia de Jonas? Mas, Jonas também é famoso pelo diálogo com Deus ao final do livro que leva seu nome. O sujeito está irado porque Deus resolveu ser compassivo e bom para com os miseráveis ninivitas. A ira de Jonas estava além do limite suportável. Veja o verso quatro em várias versões:

(Julgas que) tens razão para te afligires assim?
Fica-te bem a tua ira?
Você tem alguma razão para essa fúria?
É razoável essa tua ira?
Fazes bem que assim te ires?

A palavra usada para ira tem o sentido de fúria, raivoso, algo que está sendo queimado. O sentido do verso seria algo como: É agradável para você sentir tanta raiva? ou, faz algum bem para você se deixar queimar pelo que aconteceu?
Jonas é o espelho que miramos a nós mesmos.
Somos assim mesmo. Egoístas ao extremo e não podemos ver alguém se saindo bem ou sendo feliz que já começamos a questionar Deus. E eu? Ou então, ficamos alegres quando alguém se lasca todinho. Bem feito, pensamos.
Nesse capítulo a raiva de Jonas é tanta que ele pede para morrer. Duas vezes.
Deixe que Deus faça o bem a quem quer que seja, mesmo que essas pessoas sejam seus “adversários”. Deus sabe que a maldade é vencida com a bondade e não o contrário.
Sei lá… vá pensando ai. É razoável essa tua ira?
Toca o barco – O vento sopra.

ACBarro
www.ejesus.com.br

A vida como ela deveria ser…

Meu elevador para no térreo, abro a porta e entra um senhora de descendência japonesa. Ela entra e percebo que não mora em nosso prédio. Aperta a cobertura. Estranho porque são 15 horas e nessa hora não tem nada acontecendo lá em cima.
– A senhora vai na cobertura mesmo?
– Vou.
– Está tendo alguma festa lá em cima?
– Não, vai ter aula de dança?
– Dança?
– Sim.
– E senhora vai fazer a aula?
– Não, sou a professora.
[silêncio]
Chego no meu andar.
– Desculpe perguntar, mas quantos anos a senhora tem?
– 86
– 86? E é professora de dança?
– Sim.
– Deus abençoe a senhora.
– Amém.

O que vai acontecer no céu

Vou tentar escrever o que acho que vai acontecer no céu.

Você vai chegar lá um dia, pelo menos assim espero.
Chegando lá Deus ou mais provavelmente algum anjo designado vai chamar você e dizer para sentar-se confortavelmente na poltrona.
– Está pronto?
– Para o quê?
– Para ver o seu tesouro. Vamos começar.
Naquele momento tem início um desfile de gente na sua frente.
– Epa! Aquele é o Pedrinho. Eu o conheço, foi meu amigo na Faculdade e eu o evangelizei.
O desfile continua.
– Conheço quase todos. Mas… quem é aquela senhora?
– Essa senhora estava no hospital ao lado da sua mãe e quando você orou pela sua mãe, orou também por ela.
– Ah!
– Esse jovem com jeito de africano quem é?
– Esse jovem foi convertido por meio do trabalho da missionária que você orava por ela e a sustentava financeiramente.
– Ah!
– Nossa olha o Silvinho ai. Foi meu colega no banco. Gastei muito tempo discipulando.
– Esse senhor ai atrás do Silvinho eu não conheço.
– Esse ai era aquele senhor que ficou desempregado e você ajudava com uma cesta básica.
– É mesmo tinha me esquecido dele.
– E essa jovem quem é?
– Ela é a filha do zelador da igreja que você ajudou a pagar a faculdade. Ela se formou professora e ajudou centenas de crianças.
E o desfile continuava. Ora surgiam os conhecidos, ora gente que você nunca tinha visto antes.
Ao final do desfile vem o anúncio: Esse é o seu tesouro.
– Meu tesouro? Como assim?
– Você está lembrado que Jesus disse para entesourar no céu? Pois bem, foi isso que você fez e agora Deus está mostrando a você o seu tesouro. É justo. Se você entesourou, você precisa saber qual é o seu tesouro.
– E agora?
– Agora, você vai ali naquele salão nobre e lá no centro tem um trono e nele está sentado o Cordeiro de Deus. Deposita o seu tesouro aos pés dele.
– E depois?
– Depois você vai fazer o que gosta. Aqui é o céu.

ACBarro

Sobre a vinda de Cristo

Tem certas coisas na Bíblia que perecem que não batem com a realidade daquilo que vivenciamos nas igrejas ou no cristianismo atual.

Uma delas é a doutrina da segunda vinda de Cristo.

Faz “séculos” que não escuto uma mensagem sobre o tema, nem mesmo nas orações dos crentes. Em alguns círculos esse tema parece inadequado e soa quase que a um fanatismo exagerado. Parece e eu estou dizendo parece que para certas mentes falar desse tema é um escapismo e fica embaraçoso declarar essa verdade .
Fica ai a dica. Pregar e orar sobre o tema pois afinal ao invés de escapismo esse tema é justamente um assunto que pode ser usado para consolar as pessoas que sofrem conforme ensina o apóstolo Paulo: “consolai-vos uns aos outros com estas palavras”. Essas palavras a que se refere são justamente sobre a segunda vinda de Cristo.

A.C.Barro