A igreja triunfante

Como estamos em relação à caminhada da igreja?

Os temas que a igreja discute nos últimos tempos são sem sombras de dúvidas bem modernos e isso dá a impressão que tudo está muito bem e muito bom.

Creio, todavia, que o básico está sendo deixado de lado: a missão da igreja. O fundamental na caminhada cristã é refletir se estamos fazendo o Cristo nos mandou fazer. Em João 20.21 Jesus disse: assim como o Pai me enviou, eu vos envio. Da mesma maneira, do mesmo modo, do mesmo jeito. Tal como Jesus veio ao mundo, ele envia a igreja ao mundo.

Pergunte o quanto isso é verdade hoje.

A igreja na sua missão reflete Jesus? Tomemos como exemplo (sem entrar nos detalhes) a sua conversa com a mulher samaritana. Os discípulos preocupados com a barriga vão comprar alimento. Enquanto isso, Jesus gasta tempo mostrando àquela senhora que ele é o Messias prometido e como tal ele lhe oferece a salvação e o retorno aos propósitos originais do Criador. Por isso, ao oferecimento dos discípulos para que coma um petisco, ele disse: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra (João 4:34). Era isso justamente o que ele estava fazendo ao dialogar com a mulher.

Hoje, semelhantemente, quando a igreja dialoga com os mais diversos setores da sociedade e com os mais diversos tipos de gente com as mais diversas orientações, ela deve ter em mente esse encontro de Jesus com a mulher samaritana: Oferecer a esperança da salvação e mostrar que em Deus está a restauração da dignidade perdida com o pecado.

ACB

Sem palavras

Como gostaria de escrever algo que fosse útil e inspirador, todavia, não tenho nada para dizer nesse momento, senão que:

A igreja continua firme.

Um grupo alienado, outro aloprado. Um grupo negando, outro decretando. Um grupo falindo, outro prosperando.

Estamos no fim da história. A razão tem sido constantemente ofendida. Ser testemunha de Cristo não faz mais sentido. Testemunhar o que?

Até aos confins da terra soa vazio. O que é isso? Onde é esse lugar?

Séculos de uma construção teológica jogados no lixo.

Onde encontrar a esperança?

Por amor a Cristo queria ser pastor

Outro dia recebi um e-mail de um seminarista.
Como sofrem esses poucos “condenados” que ainda desejam o pastorado. Já escrevi sobre esse tema várias vezes e confesso que todas as vezes que me deparo com situações envolvendo seminaristas e ordenação pastoral eu fico irritado.
Depois de 28 anos envolvido com educação teológica a coisa somente tem piorado. Tem decrescido o número de jovens que aspiram ao pastorado ou missões. Tem recrudescido a paranóia dos defensores do verdadeiro evangelho e da pureza da sã doutrina impedindo que jovens que estudam em seminários que não sejam da denominação venham a ser ordenados.
O jovem me escreve que diz que a sua denominação não vai mais ordenar que faz outro seminário. Antes já não ordenava quem fazia seminário interdenominacional como a FTSA. Agora a amada igreja não ordena nem quem faz seminário denominacional.
O sujeito (seminarista) tem que ser treinado nos arraiais da sua igreja. Ele tem que aprender a verdadeira doutrina, aprender a orar como os santos de sua igreja, pregar como os grandes oradores do passado, jamais esquecer a gloriosa história da igreja e por ai vai. A única coisa que o cara não aprende é como plantar uma igreja, evangelizar e fazer missões. Mas essas coisas são tão sem importância, não é mesmo?
O orgulho denominacional ainda liquida com as denominações históricas. Será que os cardeais da igreja não percebem que ninguém está querendo acabar com o evangelho de Jesus e muito menos destruir a igreja? Será que eles não poderiam conceber a idéia de que outros cristãos também amam a Jesus e são comprometidos com a causa de Cristo?
Isso me lembra a história que está lá no Novo Testamento. O sujeito vai à igreja orar e vê ao seu lado um miserável de outra denominação também decidiu orar. Que tremenda chateação! Então ele ora:
“Senhor, graças te dou porque não nasci numa igreja pentecostal. Louvo-te imensamente porque sou fiel à verdadeira doutrina, nasci em lar evangélica de mais de quatro gerações. Obrigado Senhor, e, por favor, não permita que a minha amada igreja se corrompa envolvendo-se com esses crentes de terceira categoria. Amem”.
Se você é seminarista e está passando por provações, não se desespere, Deus há de suprir suas necessidades e saiba que Ele, e não os grandes homens da Terra, é o Senhor da História.
Se você é um desses instrumentos que está impedindo esses moços no seguimento do pastorado, prepare-se porque um dia você terá que explicar ao Cordeiro de Deus porque você fez isso. Pensando bem talvez nem tenha que explicar.

ACB

A universalização das igrejas brasileiras

Muitas vezes eu abro a tela em branco do computador com o desejo de escrever algo interessante ou pelo menos que seja significativo para alguns.
Confesso que minha mente está tão branca como a tela. Vazia. Penso de um lado, penso do outro. Nada.
Recordo de algo que gostaria de mencionar.
Outro dia comentava com um amigo sobre os rumos da igreja brasileira. Ao meu modo de ver com o surgimento dos três hermanos (universal, mundial e internacional). Alias, ainda tem espaço para quem quer fundar a Global, a Planetária, a Geral, a Total (fica a sugestão para quem está sem igreja e desempregado).
Voltando ao meu ponto. Depois do advento de los tres hermanos a igreja brasileira nunca mais será a mesma. Foi uma mudança de paradigma. Não creio que é possível reverter esse quadro. O modelo desses hermanos ficará impregnado na memória dos crentes. Por isso, já vemos esse modelo sendo usado nas igrejas pentecostais mais antigas e nas igrejas históricas. Tudo é usado com algum cosmético para disfarçar do modelo original, mas não adianta. Esse processo de universalização-mundialização-internacionalização das igrejas está apenas no começo. Vai piorar ainda mais.
Tadinha das igrejas que não aderirem a esse processo.
Antes elas ainda tinham alguma chance porque dificilmente um crente sairia delas para freqüentar uma universal da vida. Agora, não precisa mais ir à universal. Outra igreja daquela denominação tem o que a universal oferece. Assim sendo, a pessoa não está abandonando a denominação, mas apenas transferindo de igreja local.
Sei lá…
Pense ai e veja o que você pode tirar de tudo isso.

AC

Pregador da palavra de Deus

Ser um pregador da palavra de Deus ou mesmo um instrutor bíblico, professor de Escola Dominical, vai exigir mais dessas pessoas do que um simples abrir a Bíblia e falar um monte de blá blá blá baseado na experiência ou no achometro do arauto.
Os temas impostos pela sociedade moderna são bem mais complexos do que aqueles de uns anos atrás. No passado a questão era se o crente fumava ou não fumava, bebia ou não bebia, via ou não via televisão. Essas questões nos dias de hoje parecem brincadeiras de crianças.
Os temas da atualidade são aborto, eutanásia, casamento entre pessoas do mesmo sexo, homossexualismo, ordenação de gays para pastores, violência contra a mulher e crianças, injustiça social, legalização da maconha, e outros tantos.
O pastor do alto da sua sabedoria não pode dizer: “sou contra”. Isso a gente já sabe. O que as pessoas estão querendo é justamente o porquê se é contra. Quais os argumentos. Quais os fundamentos sociológicos, econômicos, científicos, religiosos, bíblicos, filosóficos e outros que norteiam a tomada de posição. Pastores que não estudam podem pedir ajuda ou então vão falar besteiras e muitas.
Outra coisa que pastor gosta de pregar é sobre a depressão. Não entende nada sobre o assunto. Não sabe como alguém fica deprimido e não sabe que tipo de tratamento a pessoa precisa. Mas o homem coloca tudo num balaio só e diz que é coisa espiritual, quando não possessão demoníaca. Pastores que não entendem desse assunto deveriam ser proibidos de pregar sobre a depressão. Seria um imenso favor a milhares de pessoas que sofrem dessa doença.
Tem mais coisas, mas escrevo depois.
ACB

Igreja é mais do que reunir e cantar

A comunidade do Rei e do reino tem como característica marcante o seu papel de agente de reconciliação. A palavra reconciliação, na igreja, é geralmente usada para conversão. Todavia, o termo vai além da reconciliação com Deus para também incluir a nossa reconciliação com os outros.
Você tem em sua comunidade pessoas que estão com a comunhão rompida? Grupos em discórdia com outros grupos? Líderes que não conversam e não se relacionam com o pastor? Bem, se a sua igreja é como qualquer outra deve ter um monte de problemas na área de relacionamentos. É provável que na sua comunidade as coisas sejam também com na maioria das igrejas, ou seja, vistas grossas como se nada estivesse acontecendo.
Isso seria beleza se não fosse por um pequeno detalhe: não somente Cristo é o Reconciliador, mas também nós somos agentes de reconciliação. Leia 2Co 5.18.
Você pode ajudar as pessoas a restaurarem a comunhão? Como a sua igreja pode ser, toda ela, uma agente de reconciliação em seu bairro ou sua cidade? Como ela pode ajudar o contexto onde está localizada a ser mais justo e mais fraterno?
Gente, igreja não é só para cantar musicas para Jesus!
ACB

Jesus foi na igreja ensinar e encontrou o demônio

Muito interessante essa experiência de Jesus que acontece logo após ser batizado e ter chamado alguns discípulos. Diz o evangelista Marcos que chegando o sábado Jesus foi na igreja (sinagoga) para ensinar. Qual não foi a surpresa, o demo estava por lá também.
Que coisa! Tantos lugares para o demônio ir, ele vai logo na igreja?
Nos dias de hoje parece que o demônio tem gostado de frequentar algumas igrejas. Tem algumas sinagogas que ele tem predileção. Ele é o artista que ocupa o palco, dá entrevista, faz o seu show particular. Outra coisa que intriga é que os demônios de hoje são completamente cordatos. Explico.
Levei um amigo para conhecer umas dessas igrejas (sic). Em dado momento o pastor (sic) chama uma senhora. Depois das perguntas de praxe, inclusive inquirindo qual igreja ela frequentava (não menciono a denominação para não chatear, mas era uma histórica). A mulher responde e o pastor então diz: “Está vendo igreja, você frequenta a igreja errada e dá nisso”.
Depois de um lenga lenga o nosso arauto informa que a mulher está com o demo no corpo. Chama pelo dito cujo e começa com ele um diálogo. Tudo o que ele perguntava, o tonto do demo respondia. Depois de sei lá quantos minutos, ele pede ao infeliz que saia da mulher. Depois de certa resistência, ele tira o time.
Para minha surpresa, o pastor diz ao demônio: “Fique ao lado mulher”.
Volta a entrevistar a mulher, agora em perfeito juízo (acho).
Volta para a igreja e diz: “Agora vou mandar o demônio entrar de novo na mulher”. Sim, sim… foi isso mesmo que aconteceu.
Depois ele expulsa de novo o cão e ele vai embora, espero eu.
Meu amigo, nessa altura do campeonato morria de medo (eu também). Olhamos um para o outro e caímos fora. Não ficamos nem para o ofertório.

Mas Jesus intimou-o, dizendo: “Cala-te, sai deste homem!”
O espírito imundo agitou-o violentamente e, dando um grande grito, saiu.
Marcos 1:25-26

Então a coisa está mesmo feia

Frase da filósofa russo-americana Ayn Rand (judia, fugitiva da revolução russa, que chegou aos Estados Unidos na metade da década de 1920), mostrando uma visão com conhecimento de causa:

“Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você; quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto-sacrifício; então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada”.

Leia várias vezes pra entender bem e pense nisso!

ACB

Pecadores empedernidos

Diz o texto sagrado que Deus amou o mundo e os que nele habitam.
Essa é uma declaração extraordinária. Pense um pouco nas pessoas que você conhece, nos políticos, nos marginais, autoridades eclesiásticas, etc. Você ama essas pessoas? Pense ainda mais. Pense em você. Ninguém conhece você mais do que você mesmo. Sabendo quem você é, pergunto: você amaria você mesmo?
É complicado.
Nosso senso de justiça não permite que amemos “certos tipos” de gente. Mas Deus afirma amar. O amor com que Deus ama essas pessoas é o amor redentor. O amor que restaura até mesmo o mais empedernido pecador. A história do cristianismo, seja antiga ou moderna, tem revelado que pessoas que não valiam um tostão furado tiveram suas vidas completamente transformadas quando entregues nas mãos de Deus.
Isso não significa que as consequências pelos pecados cometidos serão apagadas. Cada um será responsabilizado pelos seus atos. O amor salvador de Deus não elimina o dever da retribuição pelo mal causado. Vide a história de Zaqueu.
O evangelho é isso. Loucura para os justos, sábios e entendidos.
ACB