Graça, maravilhosa graça

A graça de Deus pode ser explicada, mas nenhuma explicação explica a graça de Deus. Nem precisa. A graça é aquela paz maravilhosa que invade a alma e coração; que faz compreender o incompreensível e aceitar o inaceitável. Graça, maravilhosa graça.

ACBarro

Ano novo, nova alma

“O objetivo de um ano novo não é que nós deveríamos ter um ano novo. É que nós deveríamos ter uma alma nova.” (Gilbert Keith Chesterton).

Que todos nós possamos ter esse ideal que Chesterton nos indica. Entra ano, passa o ano e sai o ano e muitas vezes continuamos na mesma. Sonhamos sonhos que não se realizam, pensamos pensamentos que não se concretizam, prometemos coisas que nunca vamos cumprir e assim a vida vai passando, passando e quando menos esperamos já era, já foi…

Assim, que tal olhamos para dentro da alma? Antes de viajarmos em direção ao ano novo, que bom seria se viajássemos para dentro do coração? Que essa viagem seja feita ao lado de Deus no sentido do Salmo 139.

Que a graça do bom Deus esteja conosco e que essa graça seja suficiente para nós ao ponto de podermos compartilhá-la com aqueles que caminham conosco por essas estradas da vida.

Antonio Carlos Barro

Desgraça pouca é bobagem

Nada é mais humano do que passar pelos sofrimentos que a vida reserva a cada um de nós. Todavia, é costumeiro nesses momentos ouvir duas perguntas no meio das dificuldades pelas qual uma pessoa venha a passar. A primeira é “por quê?” e a segunda é “por que eu?”. Uma resposta simples a essas perguntas não resolvem e não satisfazem ninguém. Não adiante insistir em plano de Deus, vontade divina ou a inevitabilidade dos sofrimentos, pois nessas horas nada parece fazer sentido para as pessoas. O que fazer então?

A primeira coisa a fazer é ser solidário e emprestar o ombro amigo. Nada de julgamentos precipitados e conclusões errôneas. Cada pessoa tem o seu tempo próprio e cada pessoa ao seu próprio tempo irá entender o propósito de cada situação e cada trilha que está caminhando. Prometa ser solidário na ajuda e ofereça para fazer alguma coisa.

A segunda coisa é orar para que Deus revele seu plano perfeito a essa pessoa que sofre. Deus também ao seu tempo mostrará o caminho e a direção a ser seguida. O cristão precisa com certeza ler mais a sua Bíblia, estudar as Escrituras para não ficar desesperado na hora da dor. Não adianta apelar para chavões evangélicos, ou práticas que se assemelham ao paganismo tais como prometer isso ou aquilo se isso ou aquela coisa acontecer. Precisa ainda entender que Deus não pode ser manipulado e nem a sua vontade mudada por causa dos sacrifícios oferecidos. Coisas como jejum, vigílias, ofertas, participação na igreja. Tudo isso deve o verdadeiro cristão praticar, mas sem condicionar essas práticas como algo feito para sair dessa ou daquela situação.

Para o verdadeiro crente não existe muita desgraça ou pouca desgraça. Ela ou ele entende que o Pai Amado está no controle de todas as coisas e quando Deus está no controle nada, absolutamente nada, pode ser chamado de desgraça, pois a desgraça seria então a des-graça, ou seja, a ausência da graça. Ainda que andemos pelo vale da sombra Deus está conosco. Que essa seja a mais absoluta verdade no seu viver. Sem isso, o ditado desgraça pouca é bobagem se torna verdade em sua vida.

Orar: “Querido e bondoso Deus, usa a minha vida para ser uma bênção na vida das pessoas que estão passando por dificuldades”.

Antonio Carlos Barro