Voluntários na igreja

Se você conversar com os crentes…
Vai perceber que tem muitas coisas que os líderes precisam prestar mais atenção.
Uma delas é a situação dos voluntários. Inúmeras pessoas doam tempo, dons e talentos para o serviço da igreja.
São pessoas que passam anos ensinando na Escola Dominical, cantando no coral/louvor, guardando carros na rua, administrando, fazendo almoços/jantares, consertando coisas quebradas etc.
Crentes que se entregam de corpo, coração e alma.
Os pastores precisam entender que essas pessoas precisam de descanso. Participar de um culto. Incentivar outros, treinar mais gente é uma tarefa urgente.
Mas ocorre o contrário. Esses voluntários, além de seus ministérios, tem que frequentar incontáveis reuniões, participar de dezenas de atividades e se usa como “motivação” para isso o belo chavão: “Vocês tem que participar porque são líderes”.
Ou seja, o líder “inventa” programas e como tem medo que o povo não irá participar, coloca o fardo para os voluntários.
Se o líder cansa, o povo também cansa.
Reavalie a maneira como você trata os seus voluntários! Essas pessoas são preciosas.
Abraços
Antonio C Barro

Vencer o desânimo é possível

Li nos comentários a respeito de um texto sobre o desânimo:
“Ando totalmente desmotivado com a vida!”
“Estou desanimada, muito desanimada. O que fazer?”
“Estou muito desanimada, nada me anima. Tenho um desgosto profundo que nunca acaba”.
“Quero encontrar forças, porém não consigo, estou sem esperanças, mas tenho um filha e por ela preciso reagir. Quero encontrar um saída”.
“Ando muito desanimado, só quero fumar maconha e dormir. Tenho 15 anos. Alguém sabe como posso mudar isso?”
“Estou muito desanimada. Não tenho foco na faculdade… não durmo direito, só vontade de ficar sozinha”.
Os comentário continuam.
Fiquei pensando ao ler essas respostas: “Será que a igreja não poderia ser um local de de apoio, de solidariedade, de amizade para essas pessoas?”
Pensei mais ainda: “Quantos dos nossos estão assim e ninguém sabe?”
Por isso, apelo a você. Olhe ao redor e tente “ver” a pessoa que está “invisível”. Convide alguém para sair, tomar um café. Inclua uma jovem solitária no seu círculo de companheiras. Leve um rapaz com você no futebol.
Santo Deus! Faça a igreja ser o que ela deveria ser!
Abraços e não fique chateado(a).
ACBarro

Você quer ser útil dentro do templo?

A igreja, algumas vezes…
É uma coisa tão complicada que pode levar você ao desnorteamento.
– O que é que eu posso fazer na igreja?
– Em que lugar eu posso desenvolver meus dons e talentos?
– Quando vão me chamar para fazer alguma coisa?
E você fica esperando, esperando. Normalmente, não acontece nada. Anote ai NADA.
Atente para algo que é muito importante: Dentro do templo (que a gente chama de igreja) não tem muito o que fazer. Você pode ajudar dando aulas, cantando, pregando, auxiliando os diáconos… Fora isso, o que é que tem para fazer dentro do templo?
A missão principal de cada um de nós não é dentro, mas sim fora do templo. Em outras palavras, como já disse um Sábio no passado: o campo é o mundo.
No mundo você tem o seu espaço. Ninguém precisa pedir nada a você. Você não precisa de autorização.
No templo “os caras” brilham. No mundo, você é que é a estrela.
No templo “os caras” vão no palco para falar/cantar a uns poucos. No mundo, o palco é todo para você ser a carta de Cristo.
Deu para perceber? Se você ficar esperando ser útil no templo é possível que seu sal perca o sabor.
Acorda!
ACBarro

Qual igreja frequentar?

Em tese…
Se a pessoa quer ser batista, frequenta uma igreja batista.
Se a pessoa quer ser presbiteriana, frequenta uma igreja presbiteriana.
Se a pessoa quer ser quadrangular, frequenta uma igreja quadrangular.
Se a pessoa quer ser de uma comunidade, frequenta uma comunidade.
Assim sendo…
Você que é pastor(a), você poderia respeitar a tradição de sua denominação?
As pessoas que vão na sua igreja querem que a igreja seja aquilo que é ela diz ser. Se é presbiteriana, a doutrina é reformada. Se é metodista, a doutrina é arminiana.
A igreja não existe para o prazer do pastor.
Se você é pastor de uma igreja e quer que ela tenha outro estilo ou outra doutrina pergunte para a igreja para ver se ela aceita antes. Se não aceitar, você se torna fiel a história daquela denominação. Se aceitar ter outra doutrina, a igreja pede desligamento da denominação e seja feliz.
Hoje, a gente entra numa igreja X pensando que ela representa a sua tradição e para surpresa vê uma coisa totalmente diferente. Muitas vezes tem que pegar o boletim para ver o nome da igreja, pois tem-se a impressão que entrou na igreja errada.
Eu sou a favor das muitas denominações. Tem gosto para tudo.
Em tese é isso. O que você acha?
ACBarro

A igreja é mais do que uma agremiação recreativa

Dizer que os tempos são outros é perda de tempo. Já sabemos disso. Alias, a filosofia popular diz que ao dobrar a esquina você já não é mais o mesmo.
Nessa mudança de tempos, a igreja também mudou e vai mudando ainda que as pessoas continuem negando isso. Se você é “antigo” de igreja acho que já deu para perceber isso. Os mais novos na fé não tem a referência que você tem, por isso, não adianta nada puxar pelo passado. Já era.
Dizem os entendidos que as pessoas de hoje querem comunhão, relacionamentos. E mais, a igreja deve ser esse espaço.
Creio que ninguém questiona isso. A igreja é mesmo um centro de convivência amorosa de pessoas que tem em comum o senhorio de Cristo.
Agora a igreja é mais do que isso. Ela não deve limitar-se a ser um grêmio cultural ou um clube recreativo. Se alguém procura uma igreja apenas e tão somente por causa dos relacionamentos, é melhor filiar-se ao um clube da cidade. É mais barato (pressupondo que a pessoa seria dizimista).
A igreja que tenta se sustentar apenas em eventos para entreter os seus vai aos poucos perdendo sua essência ainda que continue sendo atrativa por causa da comunhão entre seus membros.
ACBarro

Eu e a igreja de Cristo: uma relação conflituosa

Se Cristo fosse membro da sua igreja local, ele:

1. Criticaria a igreja com a frequência que você critica?
2. Falaria mal da igreja com a facilidade que você fala?
3. Boicotaria a igreja com a moleza que você a boicota?
4. Ofertaria para a igreja a mesma quantia que você oferta?
5. Participaria dos ministérios da igreja com a mesma alegria que você participa?
6. Envolveria-se com a missão da igreja como a mesma intensidade que você se envolve?

Com isso tudo não quero dizer que a igreja esteja isenta de erros e culpas para passar ilesa de qualquer observação.

Mas, também quero dizer que não é possível que continuemos a dar tiro no nosso próprio pé como temos dado nos dias atuais.

A igreja recebe pedradas dos de fora e tiros dos de dentro. Complicado assim…

Tem ainda um agravante. Quando a gente fala da igreja de forma tão negativa, a gente está se incluindo na fala? Ou estamos falando na terceira pessoa como se não fizessemos parte da igreja?

Eu sou a igreja.

Finalmente, lembre-se de uma coisa: a igreja não é o que ele será.

10 coisas para não fazer durante o culto

É certo que muitas vezes o culto não é dos mais elaborados e tem mesmo muita “enrolação”. O que poderia ser feito em uma hora, gasta-se duas horas. O momento dos avisos é um pesadelo.

Apesar de tudo, se você tiver boa vontade, dá para apresentar um culto agradável da Deus. Você pode ajudar:

1. Não usar o celular

– Invariavelmente vai tocar e até você achar o mesmo, todo mundo já ficou chateado com você.
– Se você está esperando uma ligação urgente, coloque no silencioso.

2. Não enviar e não ler SMS durante o culto

– Você fica olhando para o aparelho o todo momento e acha que ninguém percebe?

3. Não ler a Biblia durante o culto

– Crente quase não lê a Bíblia e fica lendo justamente na hora do culto! Sem noção!

4. Não ler livros ou o boletim durante o culto

– Leve o boletim para casa.

5. Não engajar numa conversa com outra pessoa que vai durar o culto todo

– Um comentário breve é passável.

6. Não fazer aquele click click com a caneta

7. Não amassar o copinho de plástico

8. Não namorar

9. Não sair durante a mensagem

– Caso tenha que sair, ao retornar, por favor fique na parte de trás de igreja para não atrapalhar duas vezes o pregador.

10. Não olhar no relógio o tempo todo, especialmente se você estiver no campo de visão do pastor

Deve ter outras coisas.

Deixo para os leitores fazer suas observações.

Antonio Carlos Barro
www.ftsa.edu.br

5 passos para eliminar a sua desmotivação com a igreja

Reportagem do UOL sobre a desmotivação no emprego.

Achei interessante e logo pensei no crente desmotivado. Li a reportagem com o crente e a igreja em perspectiva.

Faço aqui uma paráfrase do artigo.

De acordo com Alexandre Rangel, o primeiro sintoma de desmotivação é a falta de comprometimento com prazos, horários, participação em reuniões, silêncio e ausência de ideias.

Isso se aplica perfeitamente ao crente que entra na igreja mudo e sai calado. Envolvimento zero com a comunidade. Não participa de nada e não vê a hora do culto terminar pra sair pra verdadeira alegria que vida oferece: bares, baladas, etc.

Para manter-se motivado com a igreja aqui vai a dica:

1. Esteja sempre disposto a encarar desafios pessoais e comunitários;

2. Se envolva com a missão da igreja;

3. Mantenha-se em comunhão com os demais membros da comunidade;

4. Ajude a solucionar os problemas e não criar novos;

5. Foque na solução dos problemas e não nos problemas ou nas pessoas que causam problemas.

Se você ainda estiver desmotivado depois desse exercício, procure outra igreja. É o que todo mundo faz e você não será nem o primeiro e nem o último.

Mudar faz bem.

Aqueles que abandonam a carreira cristã

2Timóteo 4.9-22

Por que alguém em sã consciência quer ser um ministro da palavra? Estamos falando  daquelas pessoas que abnegadamente abraçam ao ministério, não considerando o custo de tal empreitada. Que mistério é esse que leva um jovem ou uma jovem a deixar uma faculdade, uma carreira promissora no mundo dos negócios para se dedicar exclusivamente ao pastorado, a vida missionária?

O Apóstolo Paulo, no final da sua carreira cristã, após uma intensa e apaixonada vida dedicada a Jesus Cristo, escreve a Timóteo, seu dileto filho na fé, e detalha a ele uma lista de pessoas que estiveram próximas do seu ministério. Nesta lista verificaremos três tipos de obreiros cristãos:

Aqueles que abandonam a carreira cristã

Demas, nome grego, “abandonou e amou o presente mundo”. Não sabemos a razão deste abandono, tendo em vista que Demas era um dos colaboradores mais íntimos de Paulo. Quando Paulo escreveu a carta aos Colossenses (4.14), anos antes desta carta a Timóteo, da mesma cidade de Roma, Demas e Lucas estavam com ele. Agora ele diz: “Demas me abandonou”. Houve alguma discordância entre eles? Ficou ele cansado de estar associado a um homem que atraia muitas perseguições e calunias? Sabemos apenas que ele abandonou a igreja. “Amou o presente mundo”. Isto não significa necessariamente que ele tenha abandonado a fé cristã, mas sim que ao considerar as vantagens de estar servindo a Cristo ao lado de Paulo e as vantagens oferecidas pelo mundo, preferiu ele a segunda. Para Calvino, ele “… preferiu a sua conveniência particular, sua segurança, tendo deixado a Paulo entregue à sua sorte”.

A atitude de Paulo, nesta situação, creio que pode ser expressa numa frase contemporânea: “Tudo bem, vamos em frente”. Esta atitude pode ser vista em duas expressões: “Lucas está comigo”. Alguns abandonam, outros permanecem firmes. A outra fala é esta designada a Marcos: “… é muito útil para o ministério”. O exército de Deus pode sofrer algumas baixas, mas sempre haverá pastores e obreiros que não dobram os seus joelhos aos deuses deste mundo.

Nos dias de hoje, são também muitos os que abandonam o barco. Decepcionaram-se com Cristo, com a igreja, com a liderança, com a denominação, com o salário, com as injustiças cometidas contra ele. O que fazer? Avancemos, pois ainda há muito que realizar em prol do reino de Deus.

Aqueles que atrapalham a carreira cristã

Alexandre “me fez muitos males” – “causou-me muitos males”. Paulo menciona outro Alexandre em 1Tm 1.20, dizendo que esta pessoa naufragou na fé e blasfemou. Este homem promovia as dissensões na igreja e Paulo o entregou a Satanás. Este outro fazia oposição a Paulo e contrariava os seus ensinamentos. Para Paulo, não existia nada mais grave do que ver alguém se opondo à mensagem de Cristo. Ele mesmo poderia suportar todas as coisas contra a sua pessoa, mas não tolerava ataques ao evangelho. A atitude de Paulo nesta situação é corajosa, pois identifica o faltoso chamando-o pelo nome. Vigia e toma cuidado com o que aquela pessoa está disseminando. Finalmente, vemos que ele descansa em Deus, pois ele conhece a todos e retribuirá a cada um segundo as suas obras (lei da semeadura). Paulo evoca o Salmo 62.13 “A ti também, Senhor, pertence a benignidade; pois retribuis a cada um segundo a sua obra”.

Nos dias de hoje, também são muitos os que atrapalham a obra de Deus. Devemos enfrentar a estes com caridade e realismo. Com caridade: Deus irá julgar as suas obras, não compete a nós fazer isto. Com realidade: A perseguição ao Cristianismo nunca é abstrata, mas sempre personalizada. Infelizmente temos no meio da igreja líderes abusivos. Pessoas que se utilizam amizade e colegas para galgar posições de liderança e que descartam os outros assim que os seus objetivos são alcançados.

Aqueles que realizam a carreira cristã

Neste capítulo, Paulo menciona 18 pessoas. Duas delas causaram grandes males ao evangelho, todavia outras estão firmes. Marcos é útil ao ministério. Trófimo está inclusive doente em Mileto. Crescente, Tíquico e Tito estão viajando em missões.

Atitude e mensagem de Paulo aos que permanecem firmes, aos que enfrentam a ministério com bravura e não consideram suas vidas mais preciosas do que a vida de Jesus Cristo. Ele afirma a mensagem da presença constante de Deus que nos assistirá em todos os momentos, revestindo e fortalecendo para o para o cumprimento da missão. E mais ainda, Deus nos protegerá da boca do leão. Provérbio que era usado para denotar extremo perigo e finalmente Deus nos conduzirá ao seu lar celestial.

Nos dias de hoje, precisamos recobrar este significado e motivação para a nossa carreira cristã, caso contrário, também nos veremos em tentações de desistir da igreja e da sua missão. São tantas as lutas, as noites de insônia, os choros escondidos por causa das perseguições e injustiças. Todavia, antes de nós outros passaram pelos mesmos sofrimentos e não desistiram do ministério.

Ao final da vida, Paulo orienta a Timóteo e a todos os que militam na obra de Deus a que mantenham o foco bem ajustado: Preguem a palavra para que haja salvação e que Deus receba a glória para todo o sempre.

Conclusão

Desde que a igreja foi fundada na terra nós temos basicamente estes três grupos: os que começam e abandonam; os que permanecem e infernizam a vida dos outros e os que permanecem e trabalham pela causa de Cristo.

Resumindo, nós temos os tomadores e os doadores. Alguns querem apenas usufruir daquilo que a igreja oferece e não retribuem em quase nada. Assim, a igreja continua dependendo destes poucos que são comprometidos e que esperam com confiança no Senhor. Quem colocou as mãos no arado não pode mais olhar para trás.

Antonio Carlos Barro
www.ftsa.edu.br

A igreja precisa achar o mundo

Uma coisa muito, mas muito difícil de ser entendida e digerida pelos líderes mais velhos de nossas igrejas é a mudança de paradigma de crescimento de igreja para crescimento do reino.

Muitos desses velhos e bons pastores tocam seus ministérios debaixo do conceito da manutenção do rebanho, orando para que haja umas três conversões ao ano. Um sermão razoavelmente preparado, visitas domiciliares, alguns aconselhamentos no gabinete pastoral, ajudar na solução de algumas crises como divórcios e problemas entre pais e filhos. Nisso se resume o pastorado.

Esses colegas não pensam a igreja fora das quatro paredes. Os programas são internos e voltados para o publico da própria igreja. Vez por outra alguma coisinha onde os “fora” são convidados. Um culto especial de aniversario, uma apresentação do coral no final de ano. Mas nada que de fato impacte o não-membro da paróquia.

Assim os dias transcorrem. Normais.

Se o colega que me lê (assim espero) fizesse algo mais intencional acho que ajudaria. Pense em duas realidades: a realidade da sua igreja, com seus membros, talentos, recursos e potenciais. A realidade de seu bairro ou cidade com suas necessidades. Faça uma perguntinha: Como a minha igreja pode ser mais efetiva no sentido de preencher essas necessidades?

Só isso. O que você precisa agora? Conduzir sua comunidade a entender que ela é a comunidade do Rei e do reino. Ensine sua igreja a ser o povo de Deus para sua cidade/bairro. Não faça isso somente pensando em crescer sua igreja. Faça isso para revelar a bondade de Deus ao mundo. Ao fazer isso, o mundo mudará de opinião a respeito da igreja e do próprio Deus.

É possível? Tente pelo menos uma vez fazer isso.

Antonio Carlos Barro