Aqueles que abandonam a carreira cristã

2Timóteo 4.9-22

Por que alguém em sã consciência quer ser um ministro da palavra? Estamos falando  daquelas pessoas que abnegadamente abraçam ao ministério, não considerando o custo de tal empreitada. Que mistério é esse que leva um jovem ou uma jovem a deixar uma faculdade, uma carreira promissora no mundo dos negócios para se dedicar exclusivamente ao pastorado, a vida missionária?

O Apóstolo Paulo, no final da sua carreira cristã, após uma intensa e apaixonada vida dedicada a Jesus Cristo, escreve a Timóteo, seu dileto filho na fé, e detalha a ele uma lista de pessoas que estiveram próximas do seu ministério. Nesta lista verificaremos três tipos de obreiros cristãos:

Aqueles que abandonam a carreira cristã

Demas, nome grego, “abandonou e amou o presente mundo”. Não sabemos a razão deste abandono, tendo em vista que Demas era um dos colaboradores mais íntimos de Paulo. Quando Paulo escreveu a carta aos Colossenses (4.14), anos antes desta carta a Timóteo, da mesma cidade de Roma, Demas e Lucas estavam com ele. Agora ele diz: “Demas me abandonou”. Houve alguma discordância entre eles? Ficou ele cansado de estar associado a um homem que atraia muitas perseguições e calunias? Sabemos apenas que ele abandonou a igreja. “Amou o presente mundo”. Isto não significa necessariamente que ele tenha abandonado a fé cristã, mas sim que ao considerar as vantagens de estar servindo a Cristo ao lado de Paulo e as vantagens oferecidas pelo mundo, preferiu ele a segunda. Para Calvino, ele “… preferiu a sua conveniência particular, sua segurança, tendo deixado a Paulo entregue à sua sorte”.

A atitude de Paulo, nesta situação, creio que pode ser expressa numa frase contemporânea: “Tudo bem, vamos em frente”. Esta atitude pode ser vista em duas expressões: “Lucas está comigo”. Alguns abandonam, outros permanecem firmes. A outra fala é esta designada a Marcos: “… é muito útil para o ministério”. O exército de Deus pode sofrer algumas baixas, mas sempre haverá pastores e obreiros que não dobram os seus joelhos aos deuses deste mundo.

Nos dias de hoje, são também muitos os que abandonam o barco. Decepcionaram-se com Cristo, com a igreja, com a liderança, com a denominação, com o salário, com as injustiças cometidas contra ele. O que fazer? Avancemos, pois ainda há muito que realizar em prol do reino de Deus.

Aqueles que atrapalham a carreira cristã

Alexandre “me fez muitos males” – “causou-me muitos males”. Paulo menciona outro Alexandre em 1Tm 1.20, dizendo que esta pessoa naufragou na fé e blasfemou. Este homem promovia as dissensões na igreja e Paulo o entregou a Satanás. Este outro fazia oposição a Paulo e contrariava os seus ensinamentos. Para Paulo, não existia nada mais grave do que ver alguém se opondo à mensagem de Cristo. Ele mesmo poderia suportar todas as coisas contra a sua pessoa, mas não tolerava ataques ao evangelho. A atitude de Paulo nesta situação é corajosa, pois identifica o faltoso chamando-o pelo nome. Vigia e toma cuidado com o que aquela pessoa está disseminando. Finalmente, vemos que ele descansa em Deus, pois ele conhece a todos e retribuirá a cada um segundo as suas obras (lei da semeadura). Paulo evoca o Salmo 62.13 “A ti também, Senhor, pertence a benignidade; pois retribuis a cada um segundo a sua obra”.

Nos dias de hoje, também são muitos os que atrapalham a obra de Deus. Devemos enfrentar a estes com caridade e realismo. Com caridade: Deus irá julgar as suas obras, não compete a nós fazer isto. Com realidade: A perseguição ao Cristianismo nunca é abstrata, mas sempre personalizada. Infelizmente temos no meio da igreja líderes abusivos. Pessoas que se utilizam amizade e colegas para galgar posições de liderança e que descartam os outros assim que os seus objetivos são alcançados.

Aqueles que realizam a carreira cristã

Neste capítulo, Paulo menciona 18 pessoas. Duas delas causaram grandes males ao evangelho, todavia outras estão firmes. Marcos é útil ao ministério. Trófimo está inclusive doente em Mileto. Crescente, Tíquico e Tito estão viajando em missões.

Atitude e mensagem de Paulo aos que permanecem firmes, aos que enfrentam a ministério com bravura e não consideram suas vidas mais preciosas do que a vida de Jesus Cristo. Ele afirma a mensagem da presença constante de Deus que nos assistirá em todos os momentos, revestindo e fortalecendo para o para o cumprimento da missão. E mais ainda, Deus nos protegerá da boca do leão. Provérbio que era usado para denotar extremo perigo e finalmente Deus nos conduzirá ao seu lar celestial.

Nos dias de hoje, precisamos recobrar este significado e motivação para a nossa carreira cristã, caso contrário, também nos veremos em tentações de desistir da igreja e da sua missão. São tantas as lutas, as noites de insônia, os choros escondidos por causa das perseguições e injustiças. Todavia, antes de nós outros passaram pelos mesmos sofrimentos e não desistiram do ministério.

Ao final da vida, Paulo orienta a Timóteo e a todos os que militam na obra de Deus a que mantenham o foco bem ajustado: Preguem a palavra para que haja salvação e que Deus receba a glória para todo o sempre.

Conclusão

Desde que a igreja foi fundada na terra nós temos basicamente estes três grupos: os que começam e abandonam; os que permanecem e infernizam a vida dos outros e os que permanecem e trabalham pela causa de Cristo.

Resumindo, nós temos os tomadores e os doadores. Alguns querem apenas usufruir daquilo que a igreja oferece e não retribuem em quase nada. Assim, a igreja continua dependendo destes poucos que são comprometidos e que esperam com confiança no Senhor. Quem colocou as mãos no arado não pode mais olhar para trás.

Antonio Carlos Barro
www.ftsa.edu.br

Vocação ministerial. Ainda existe isso?

Todos já sabemos, nessa altura do campeonato, que todo o povo de Deus é vocacionado para a missão de tornar Cristo conhecido entre as nações. Todo o povo de Deus é chamado e a cada pessoa é conferido dons espirituais para o desempenho da parte que lhe cabe na tarefa cristã.
Alguns são chamados para o pastorado, trabalho missionário ou educação cristã. Aquilo que antigamente chamava de vocação pastoral. Sobre essa vocação é que a coisa está pegando. Trabalho com educação teológica por mais de 25 anos e nunca presenciei tamanha falta de gente para o trabalho pastoral. Se no passado havia muitos jovens (homens e mulheres) almejando o pastorado, hoje é um fato raro.
Outro dia perguntei a seis colegas pastores se nos últimos dez anos havia tido algum jovem com a vocação ministerial em suas igrejas. Resposta: zero. Um colega compartilhou que uma jovem queria ser missionária. Como resultado sua mãe a deixou de castigo por duas vezes.
Faz muitos anos, mas muitos mesmo, que não ouço um pai ou uma mãe dizendo: “Ore pelo meu filho, pois ele quer ser pastor”. Acho que esse ideal não passa nem perto dos pais nos dias de hoje. Eu vejo pedindo orações para passar no vestibular para medicina, odonto, fisio, engenharia e tantas outras “nobres” profissões. Ser pastor é coisa para pobre – essa é a realidade.
Antes de terminar quero recordar (para meu consolo) que o único pedido de oração que Jesus fez a todos nós foi: “Grande é, em verdade, a seara, mas os obreiros são poucos; rogai, pois, ao Senhor da seara que envie obreiros para a sua seara”.
Você ora?

Antonio Carlos Barro