Denominacionalismo

O meu total e absoluto desprezo pelo denominacionalismo que mata o espírito do Reino de Deus. Quando a frase extra Ecclesiam nulla salus foi dita a respeito da Igreja Católica, o que não se sabia é que ela era também uma profecia a respeito da igreja protestante no Brasil. É uma pena que algumas denominações pensem isso dela.

ACBarro

Ainda sobre a salvação…

Parecia coisa simples.
Pelo menos quando a gente era menino(a), adolescente (estou falando dos antigos na igreja, pois os novos de hoje nem sabem disso) crescendo na igreja, ouvindo sermões sobre missões, evangelismo. Cantando hinos sobre Cristo e sua salvação (louvor extravagante ainda nem tínhamos ideia que um dia existiria). Era coisa de crente mesmo. Organista e hinário. A leitura de uma antífona, a pregação do pastor e benção apostólica.
Sim… Aprendemos que Cristo tinha vindo ao mundo para morrer na cruz e salvar a todos os que criam nele, por isso a gente evangelizava os amigos, parentes e vizinhos.
Hoje?
Hoje o tema da salvação é uma complicação total.
Temos basicamente dois campos de pensamentos: os que creem que todos serão salvos (universalistas) e os que creem que somente pela fé em Cristo é que a pessoa será salva. Mas se isso fosse assim tão simples como essa simplória formulação até que seria tranquilo. Mas não o é.
Dentre os universalistas há uma enorme variedade de pensamentos e posições. São gente de todas as matizes religiosas e denominações cristãs. Vai desde a negação física do inferno, negação da ressurreição de Cristo (e a nossa), punição dos pecados é nesse mundo mesmo, aniquilamento da alma, o amor de Deus engloba a todos, Deus é justo, todos os caminhos salvam, Jesus é um dos salvadores e cada religião tem seu próprio caminho de redenção.
Tem muito mais coisas no universalismo. Leia sobre o tema.
No campo do particularismo Cristo salva os que creem. Esses que militam aqui são chamados de fundamentalistas pelos liberais e universalistas. Mas, até mesmo nesse campo as coisas não são tão simples. Veja você: a salvação é pela graça por meio da fé. Se tivesse um ponto final depois da frase seria mais fácil, mas normalmente depois da frase tem uma vírgula. Então ficaria assim:
– salvação é pela graça por meio da fé, e o falar em línguas.
– salvação é pela graça por meio da fé, e receber o segundo batismo.
– salvação é pela graça por meio da fé, e guardar o sábado.
– salvação é pela graça por meio da fé, e observar as tradições da igreja.
– salvação é pela graça por meio da fé, e frequentar a minha igreja.
– salvação é pela graça por meio da fé, e converter-se ao judaísmo.
– salvação é pela graça por meio da fé, e ser Reformado na teologia.
– salvação é pela graça por meio da fé, e você tem que se cuidar para não perder a mesma.
Aqui a criatividade dos fundadores das igrejas corre solta. Cada um inventa o que bem entende e vai alastrando as amarras da tenda.
Sinceramente?
Eu sei apenas duas coisas sobre o tema:
1. Eu sou salvo pelos méritos de Cristo.
2. Eu vou morar com Cristo no lugar que ele morar no futuro.
Você?
ACBarro

Ser salvo

Outro dia um irmão perguntou-me sobre a salvação. Devemos entender o tema sob a perspectiva Calvinista ou Arminiana. Qual é a teologia correta?
Minha resposta foi simples, tendo em vista que não sou teólogo.
Imagine que você está pregando para 50 pessoas e ao final do culto 10 delas aceitam a salvação de Cristo. Se você for Calvinista louvará a Deus por 10 eleitos que foram salvos.
Imagine agora se você for Arminiano. Louvará a Deus pelos 10 que usaram do livre arbítrio para aceitar a Cristo.
Ou seja: sendo Calvinista você não sabe quem são os eleitos ou sendo você Arminiano também não sabe que exercerá o livre arbítrio, então precisa pregar a Palavra. Se eles foram salvos porque são eleitos, beleza; se eles foram salvos porque tiveram a liberdade de escolher, beleza também. Ao final, se foram escolhidos ou se escolheram, eles foram salvos.
A salvação não vem pela eleição e nem pela liberdade da escolha. A salvação é pela graça por meio da fé.
ACBarro

Pecadores empedernidos

Diz o texto sagrado que Deus amou o mundo e os que nele habitam.
Essa é uma declaração extraordinária. Pense um pouco nas pessoas que você conhece, nos políticos, nos marginais, autoridades eclesiásticas, etc. Você ama essas pessoas? Pense ainda mais. Pense em você. Ninguém conhece você mais do que você mesmo. Sabendo quem você é, pergunto: você amaria você mesmo?
É complicado.
Nosso senso de justiça não permite que amemos “certos tipos” de gente. Mas Deus afirma amar. O amor com que Deus ama essas pessoas é o amor redentor. O amor que restaura até mesmo o mais empedernido pecador. A história do cristianismo, seja antiga ou moderna, tem revelado que pessoas que não valiam um tostão furado tiveram suas vidas completamente transformadas quando entregues nas mãos de Deus.
Isso não significa que as consequências pelos pecados cometidos serão apagadas. Cada um será responsabilizado pelos seus atos. O amor salvador de Deus não elimina o dever da retribuição pelo mal causado. Vide a história de Zaqueu.
O evangelho é isso. Loucura para os justos, sábios e entendidos.
ACB

Jesus: Ser ou não Ser

Final de semestre.
Tempo de avaliação para todos: professores e estudantes. Juntos compartilhamos e aprendemos. Refletimos sobre os grandes desafios para a igreja nos próximos anos. Desafios externos e internos.
Compartilhei que um dos grandes desafios, já hoje, é sobre a exclusividade da salvação na pessoa de Jesus. Não é politicamente correto afirmar que só Jesus salva e que os outros sistemas religiosos são inúteis e inoperantes. Não é moderno, não é de bom tom fazer tal afirmação.
Caminhamos para a pluralidade religiosa. Não tem retorno.
A pergunta é sobre como a igreja reagirá a isso. Do jeito que as coisas andam pelo nosso lado podemos afirmar com certeza que a igreja irá recuar, alias já está recuando. Há muitas vozes afirmando que Jesus é o salvador dos cristãos e que cada religião tem o seu salvador. Por isso, nossa tarefa não evangelizar e muito menos enviar missionários, mas sim engajar-nos em um processo rico e iluminador chamado diálogo interreligioso.
Bonito, fica bem e livra a nossa cara do conservadorismo e da pecha de que somos mentes pequenas.
Quando isso pegar forte os conservadores devem sair a campo para defender Jesus como se Jesus precisasse dessa defesa.
O que é mais irritante é que essa defesa de Jesus é uma conversa mole. Querem defender Jesus apenas num artigozinho ou num sermãozinho qualquer. Isso não vale nada.
A melhor resposta da igreja é justamente evangelizar, mandar missionários.
Agora, adianta defender e usar todos os recursos da igreja com ela mesma? Adianta defender e nem perceber os miseráveis que moram ali pertinho do templo? Adianta defender quando os seminaristas da igreja passam fome? Adianta defender quando os pátios das igrejas estão cheios de carros do ano e os missionários passam fome?
Adianta?
As ações da igreja mostram que os liberais estão certos. Ou não?

ACB